4.6.15

Ela e eu...



Deslizando na luz que escorria

                                                             rua

                                                                     abaixo,

lá fomos,

                ela e eu,

                lado a lado,

                duas sombras cúmplices

                                                                  e sem destino...

 

António Pereira
Foto tirada em Azeitão no final de uma manhã quente e luminosa.

20.5.15

Metáfora de fogo...


Como uma metáfora de fogo,
as flores acendem-se
e são estrelas no azul seco do céu...

Impaciente,
fecho os olhos
                          e
                              sinto no palato a memória
                                                                      da doçura
                                                                           dos frutos
                                                                                          maduros…


António Pereira
Foto tirada ao fundo da horta esta manhã.

8.3.15

Tenho flores para ti, meu amor!

 
Parecia ser um dia como os outros…
Mas não era!
Quando abriguei as tuas mãos entre as minhas
e mergulhei no fundo
                                          dos
                                                teus
                                                       olhos,
soube, logo ali, que eras tu...
                                                         a mulher da minha vida!

António Pereira
Foto: tirada num recanto do jardim do meu amor ;)


5.3.15

Renova-se a esperança!

 
Cansadas do longo inverno,
as plantas reerguem-se,
                                  altivas,
                                  com pétalas de primavera precoce…

Como um inseto, perco-me em cores suaves e aromas doces
e sonho com néctares únicos…
 
Sem avisar, a esperança entra de mansinho
                                                  na colmeia da minha vida!

 
António Pereira
 
Nota: Foto tirada há pouco na horta (pessegueiro em flor).

16.12.14

Preso em mim...



Preso em mim,
perdido nos labirintos da vida,
                                                     espero e desespero

Invejo todos os seres alados:
                                       condores, gaivotas, insetos…

E tenho saudades das asas que nunca tive!

 
António Pereira
Nota: Foto tirada na horta num feijoeiro.

12.12.14

.Cai a noite em Lisboa...



Quando o dia se perde na noite,
                       o Tejo, feliz e apaixonado,
                                        entra na vastidão do oceano

A ponte, no alto dos seus pilares frios,
                                                                  enternece-se

No horizonte, o sol apaga-se lentamente
                                                                       e adormece…

Lisboa,
         como uma fadista castiça,
                           veste-se de negro e de magia!

 
António Pereira
P.s. Foto tirada ontem a partir de um autocarro (ônibus) sobre a Ponte 25 Abril. 

2.12.14

Outono...


Discreto, o outono instala-se…
Como um pintor diletante,
                               aqui e ali,
                                         marca a tela da natureza
                                                                    com pinceladas
                                                                                               de ouro
                                                                                                e cobre.

Os ramos,
                  embalados pela dança efémera das folhas,
                                                             mergulham num sono profundo...

Despertarão um dia, confiantes no futuro!


                            
António Pereira